A CONSCIÊNCIA DA ACÇÃO

Em medicina chinesa, o corpo é representado através da ligação entre 5 elementos: Terra, Metal, Água, Madeira e Fogo. Dividido em dois ciclos distintos, nutrição e controlo, esta representação oriental mostra-nos a dinâmica interna do Ser Humano, desde da sua correlação anatómica até à complexidade mental e foi exatamente sobre o mental que dedici escrever-vos hoje.

O elemento Terra tem como responsabilidade o raciocínio, ou seja o acto de pensar. É ele que o coordena e sustenta.

O elemento Metal tem como responsabilidade o auto-conhecimento, a gestão de relacionamentos, ou seja a nossa relação connosco próprios e com os outros, a relação entre o mundo interior e o mundo exterior.

O elemento Água tem como responsabilidade a acção, a vontade e a atitude. É este elemento que define, num estado primário, o ímpeto e o impulso mais básico.

A Madeira é o elemento responsável pela criatividade, pela ascensão, pelo desenvolvimento e crescimento.

O último elemento na lista, o Fogo, apesar de ser o grande responsável por toda a gestão emocional, no contexto mental funciona como um catalisador, operando assim uma rede de ligação entre os demais elementos. 

Antes de avançarmos mais nos meandros mentais dos elementos caracterizados pela Medicina Chinesa, vamos rever a forma como eles se influenciam mutuamente, de forma a criarem a homeostasia característica ao organismo humano.

O elemento Terra nutre o Metal, ao mesmo tempo que controla o elemento Água. O elemento Metal nutre a Água ao mesmo tempo que controla o elemento Madeira. A Água nutre o elemento Madeira ao mesmo tempo que controla o Fogo. O elemento Madeira nutre o Fogo ao mesmo tempo que controla a Terra e por último o elemento Fogo nutre a Terra ao mesmo tempo que controla o elemento Metal.

Um exemplo claro de duas manifestações diferentes, uma Macro (a natureza) e uma Micro (o corpo humano).

Voltando aos aspectos mentais, a (tomada) consciência está no domínio do Metal, é nele que se encontra a introspecção e a "verdade" interior. Assim sendo, qualquer tomada de consciência, por mais pequena que seja, deverá nutrir uma acção, pois o Metal nutre a Água. Caso isso não aconteça, a falta de acção vai-se refletir de duas formas: deficiência do elementos Água e do elemento Madeira. Passo a explicar. O Metal ao não fluir a sua energia para a Água vai estagnar o fluxo e acumular, criando assim um excesso que vai exercer um controlo excessivo no elemento Madeira, inferiorizando o funcionamento do mesmo. Em simultâneo com isso, com a falta de nutrição a Água vai secando e vai igualmente tornando-se deficiente nas suas acções, tanto dentro de elemento em si, como de nutrição e controlo. Assim sendo, podemos afirmar que a consciência (Metal) que não produz acção (Água), reduz a criatividade e o desenvolvimento, criando assim frustração e irritabilidade (Madeira).

Num plano secundário, quando esta situação se mantêm por um período de tempo, a fragilidade do elemento Madeira vai fazer com que o mesmo falhe na sua função de controlo sobre o elemento Terra (Pensamento), o que vai ter como consequência um pensamento excessivo e uma preocupação infundada. Ao atingir este ponto, a pessoa passa a estar refém dos seus pensamentos, os quais não controla mais e que serão com certeza uma tormenta na sua vida...

30 de Outubro de 2017
Nuno Nunes