LEMBRANÇAS DO PASSADO...

Hoje deixo-vos com um texto, escrito por mim à 12 anos. Espero que gostem!

"Vale o que vale...

Muitas vezes aplicamos frases feitas nos nossos discursos mundanos…aplicamos as falas dos nossos Pais e avós! Muitos desses dizeres, fazem hoje parte do quotidiano dos falares Portugueses sem que muitos dos que os proferem conheçam a fundo os porquês e as razões para tais expressões. Isto porque hoje o que importa cada vez mais é fazer sentido no discurso deste nosso Portugal de Camões…mas será possível falar e até liderar sem que se entenda o que realmente se diz? Infelizmente parece-me que sim…cada dia que passa tenho mais noção que as pessoas não compreendem o que dizem, não fazem sentido, nem são coerentes com as suas ideias e ideais. As suas atitudes em nada se coadunam com os discursos que proferem…mas será que isto tem alguma validade? O que vale um discurso coerente e bem estruturado, com virgulas no sitio das virgulas e com pontos nos sítios dos pontos se não alterar a forma de agir e de pensar de quem dos declama? Vale com certeza o que vale…acreditamos realmente em algo quando temos a honestidade de deixar a nossa crença exercer a sua força em nós. Confiamos realmente em algo quando somos sinceros ao ponto de tentar modificar os nossos padrões mais íntimos pelo que acreditamos. A ignorância de quem não age desta forma ultrapassa a falta de liderança de quem os ouve, pois esses com o coração aberto e com confiança podem ouvir e deixar-se moldar pelo discurso, ainda que não sincero de quem o dita, e mesmo sendo um papel cheio de palavras sem sentido para quem as lê altera e mexe a mente e o coração de quem as ouve, conseguindo assim influenciar o alvo de uma forma positiva…o todo não vale pelo que é mas sim pelo que cada um de nós quer que ele valha…o problema é de quem recita, de quem lê e de quem não deixa as suas próprias palavras modificarem os seus actos e atitudes…o verdadeiro desafio é sem dúvida a vitória interior sobre cada um, é o vencer dos vícios e dos medos, das ignorâncias e da auto-luxúria! A vitória interior e o auto controlo é com certeza o caminho para a clareza de pensamento. É fácil modificar a vida dos outros, é fácil fazer alguém feliz, triste, é fácil apaixonarmo-nos…é difícil modificarmo-nos, é difícil sermos felizes pelos nossos actos é difícil admitir que a razão pela nossa tristeza somos nós é difícil fazer apaixonar pelo que nos apaixonou…de que vale acharmos que temos religiões diferentes e acreditarmos em discursos diferentes se pecamos os mesmo pecados? O que vale acreditar-mos e lermos livros tão diferentes quando percorrermos os mesmos caminhos…acho sinceramente que a diferença é feita por cada um e pelo que cada um põe de intenção no que faz, no que sente e no que faz sentir! Se sentes com o coração primeiro, com certeza que vais deixar a luz da vida entrar e fazer as modificações naturais…se sentires com o coração depois do razoável, depois do pensamento, se em nenhum momento deixas de ter o controlo, nunca sentirás a verdadeira beleza da vida como ela realmente é: natural e imprevisível, no entanto única e perfeita.

Até que ponto estás disponível para deixares o teu pensamento e as tuas opiniões comandarem os teus sentimentos e a tua própria natureza?

“Era uma vez um escorpião que ao tentar atravessar o rio montou-se numa folha caída da árvore ali perto e perdeu o controlo, ao ver tamanha aflição um homem que passava deu-lhe a mão para o salvar, mas o escorpião picou-o…o homem voltou a dar-lhe a mão e mais uma vez o escorpião o magoou. Ao verem o que se passava as pessoas em redor gritavam “ele vai sempre picar-lhe deixe lá o escorpião”. No entanto o homem agarrou num ramo de árvore caído no chão e colocou-o junto do escorpião, este subiu para o ramo e o homem pousou-o em terra. Mais á frente o homem disse á plateia que assistiu impávida e serena que só porque a natureza do escorpião era a defesa com o bico, ele não ia alterar a sua que era a de ajudar…” 

Hoje perdeu-se a noção do Eu próprio, infelizmente quando se fala em Eu o discurso é automaticamente egocêntrico e pouco humilde, infelizmente hoje tende-se a olhar para os outros e para as opiniões dos terceiros, sem primeiro olhar para dentro…a verdadeira essência da luz reside no acordar interior primeiro e só depois e aí sim, no sacudir o pó que cada um dos nossos semelhantes tem dentro de si, que o impede de ver a sua própria luz…com certeza que ninguém terá a presunção de conseguir mudar o mundo, mas não será demais pensar em alterar o mundo próprio de cada um e se cada pessoa conseguir alterar o seu mundo, vale o que vale…muitos olham para o dedo que aponta para a Lua, outros os há que tentam até morder o dedo pensando que isso os alimentará. Qualquer um deles irá perder o vislumbre de contemplar a Lua em si! Não olhem para o dedo, olhem para a própria Lua e principalmente para a Lua interior, só assim conseguirão influenciar quem tão humildemente busca pela luz do discurso de alguém! Vale o que vale e com certeza valerá o que cada um quiser que valha para si próprio as suas próprias palavras…

Grato!"