VIVER A VIDA EM PLENO

O tema que decidi escrever hoje passa por reconhecer que grande parte das pessoas vive longe do seu potencial e assim, constatar que infelizmente isso é a norma. Se não nos empenharmos para viver de forma distinta da que foi adoptada pela maioria, vamos também nós viver uma vida medíocre. Desta forma, identificar as causas dessa mediocridade é fundamental e imprescindível. Então, existe uma pergunta de fundo que devemos colocar a nós próprios nesta fase:

Em que áreas da minha vida estamos conformados?

Se quero acordar todos os dias e amar verdadeiramente a minha vida, o meu trabalho e as pessoas com quem vivo e convivo, é necessário tomar medidas conscientes. Uma vida assim não é um golpe de sorte, tem de ser devidamente planeada, desenhada até...

Para que isso aconteça, existem 7 pontos que acredito serem de extrema importância:

> Achar que seremos sempre o que sempre fomos! Devemos ter consciência que o lugar onde agora estamos foi criado pelas versões de nós próprios que vigoraram no passado, mas o lugar para onde iremos no futuro, depende inteiramente da pessoa que escolhermos ser daqui para a frente...

> Inexistência de um propósito! Infelizmente, se perguntarmos à pessoa comum qual o seu propósito de vida, o normal é não termos uma resposta concreta. Quando se vive em compromisso com um propósito de vida que ultrapassa a dimensão dos nossos problemas, estes acabam por perder significado, tornando-se assim, bastante mais fáceis de solucionar e ultrapassar.

> Isolar incidentes. Este é um dos erros mais graves e também mais comuns. Quando supomos que o facto de não comparecermos a um treino, protelamos um projecto ou nos alimentamos incorrectamente é algo que consegue ser “compensado” no dia seguinte e que não tem importância. Com estas acções partimos do princípio de que as escolhas em causa afectam exclusivamente o momento. Pois não é bem assim, ou melhor, não é nada assim...cada pensamento, cada acção é determinante no âmbito da pessoa em que nos estamos a tornar, que por sua vez, é determinante no que diz respeito à qualidade das vossas vidas. Sempre que tomamos a escolha de não fazer, ou fazer errado, estamos a enviar uma mensagem para o subconsciente com a informação que é possível, que pode ser feito...

> Irresponsabilidade. Há uma ligação directa entre sucesso e responsabilidade. A última actua como motor da acção. A responsabilidade permite-nos progredir, melhorar e atingir os resultados que, de outra forma, não teriam sido possíveis. Passamos a nossa infância toda e adolescência a seguir , obrigados pelos pais, as nossas responsabilidades. Quando estamos por nossa conta, não queremos mais responsabilidades. Mas agora que somos adultos e estamos dispostos a desenvolver os esforços necessários para conseguirmos viver a nossa vida em pleno, devemos responsabilizarmo-nos. Neste ponto, ajuda bastante termos um agente de responsabilização, ou seja, por exemplo um mentor.

> O círculo de influência. Está provado que somos influenciados pelas 5 pessoas com quem mais convivemos. Isto aplica-se a todas as áreas da nossa vida. Desta forma, se não conseguirmos estar directamente rodeados por pessoas optimistas e positivas, devemos criar influências artificiais, como livros ou comunidades on-line, por exemplo...

> Fraco desenvolvimento pessoal. O nosso nível de sucesso raramente irá exceder o nosso nível de desenvolvimento pessoal, ou seja, conhecimento, aptidões, hábitos e ferramentas. Assim sendo, quando não conseguimos dedicar tempo ao nosso desenvolvimento pessoal, mais cedo ou mais tarde a vida vai obrigar-nos a dispor de tempo para lidarmos com as dificuldades e sofrimentos.

> Falta de urgência. Para vivermos a nossa vida é fundamental um sentido de urgência. Infelizmente todos nós assumimos que o amanhã vai estar sempre disponível. Um dia, vamos olhar para trás e perguntar para onde foi a nossa vida? Este é um dos piores sentimentos: o arrependimento! Assim sendo, o momento presente é o melhor momento, para fazer tudo. O que fizeres hoje é determinante para a pessoa em que te estás a tornar...