UM SÁBADO DIFERENTE

Realizou-se este passado sábado, mais um estágio de Lim Kenpo em Benavente. Foram 3 horas de treino dinâmico e animado, com muitos socos, pontapés e cotovelos à mistura. Trabalhámos as várias distâncias de batimento (strike), com soluções diferentes, utilizando vários contextos reais. Sem dúvida um trabalho minucioso e importante para quem quer aprender a defender-se nos séc. XXI. 

Como é característico nestes eventos, foram 3 horas de convívio inter-pessoal, que fortalece relações e consolida amizades...

Neste mesmo dia, celebrámos também a chegada da Primavera, com um Jantar de Gala, direccionado igualmente para a consolidação das relações entre os alunos da escola. O convívio foi saudável e para bem da verdade, se treinamos com afinco, devemos igualmente divertir-nos com afinco...confirma-se!!!

Obrigado a todos os alunos pela forma intensa como estão ligados à ETAMC.

   

SEM PERCEBERES QUEM ÉS, A FELICIDADE NÃO PODE VIR ATÉ TI...

Todos nós nascemos iguais, oriundos de uma mesma chama original. Nascemos perfeitos mas não completos. Vimos a este mundo para trabalhar no nosso aperfeiçoamento enquanto Seres não duais. O objectivo desse trabalho é encontrar, experienciar e viver o Amor incondicional. No entanto, vimos a este mundo em locais diferentes deste planeta, sobre influências também elas diferentes. À medida que vamos crescendo, aprendemos os costumes e as culturas, não só dos locais, mas dos tempos em que vivemos.

Somos influenciados e moldados para sermos "normais". São esperadas acções, pensamentos e até julgamentos, tendo em conta a cor da nossa pele, a nossa idade, e lá está, o local onde nascemos. 

Nenhum dos comportamentos que referi somos nós, pois os mesmos não são inatos mas sim adquiridos. Como podemos ser algo que adquirimos? Se adquirimos então passa a ser "meu" e não "eu". Tudo aquilo que nós somos é inato, só pode ser... 

A curiosidade, a vontade de aprender, a facilidade de partilha, a ausência de frustração e julgamento, tudo isto são qualidades de uma criança, de um Ser feliz que expressa assim o seu amor incondicional pela vida e pelo facto de estar vivo. Com o crescimento e a vida em sociedade, vamos sendo formatados e informados que ser aquilo que somos não chega. Para termos valor, para sermos "alguém na vida", temos que nos educar, ir à escola e aprender. Ou seja, o teu valor depende directamente da quantidade de conhecimento que tens, da quantidade de bens adquiridos que consegues amealhar, sejam eles bens materiais ou outros. Seres só tu, definitivamente não chega. E nós, curiosos como somos, despertos para a vida e ansiosos por experienciar, aprendemos muito bem esta lição e interiorizamos a mensagem. É neste momento que confundimos o Ser com o Ter. Passamos a querer Ter e não a querer Ser, confundindo assim o conhecimento adquirido com o conhecimento inato e dificultamos a nossa experiência neste mundo. Com o passar do tempo, os filtros vão-se amontoando e passados 30 anos, somos incondicionalmente adultos, adaptados a uma realidade ilusória que nos controla e nos prende, sem termos uma noção exacta daquilo que somos verdadeiramente.

A felicidade é um sentimento único! Tal como outros sentimentos e emoções, não conseguimos aferir com exactidão os níveis de felicidade individual de cada pessoa. Podemos falar sempre sobre a sua percepção pessoal. Desta forma, quando perguntamos a alguém: sente-se feliz? A resposta será sempre a sua percepção. Quando observamos os comportamentos de alguém e concluímos que os mesmos são comportamentos de felicidade, mantemo-nos nas percepções, pois uma percepção forte influência o sentimento e o comportamento. A questão pertinente é se existe a ilusão daquilo que estamos cá a fazer, atingir esse patamar dá-nos igualmente a ilusão de sucesso e de felicidade. Conseguimos genuinamente sentir e reproduzir felicidade, mesmo estando a anos de luz daquilo que realmente deveríamos estar a conseguir... esta ilusão é sem duvida a fortaleza que nos envolve e nos impede de fugir da prisão em si. Quando a sociedade conseguiu fazer com que nós nos sentíssemos felizes com a nossa própria miséria, pôde abolir a escravidão visível e destruir os muros desta enorme prisão à qual chamamos a nossa vida. Somos assim, presos felizes, sem consciência da nossa verdadeira essência e potencial. Não entendemos que quanto mais possuímos, mais pesados ficamos, menos mobilidade temos. Cada posse é uma âncora, seja ela material ou intelectual. Eu tenho e Eu sei, nunca conseguirão ter a força de um Eu sou!

A verdadeira felicidade não precisa de ser construída, ela viaja na tua direcção. Se descobrires quem és verdadeiramente, iluminas-te e iluminas o caminho... sem perceberes quem és, a felicidade não pode vir até ti.

NN


PARAR, AVALIAR E PENSAR...

Aloha!

Apesar de antecipado, ontem foi dia do Pai na ETAMC...durante uma hora, todos os Pais tiveram oportunidade de desligar do mundo e acompanhar os seus filhos num treino de Kenpo. Resultado: Foi muito bom!!! Para mim pelo menos, que estou sempre do outro lado dos treinos, ter a possibilidade de sair mais cedo do meu trabalho, motivado e sem sentimento de culpa e durante uma hora inteira, estar focado apenas em brincar com o Sebastião, tirar partido desta iniciativa e principalmente partilhar com ele uma actividade que apesar de familiar, também é só dele...sem palavras. Muito bom! 


Hoje acordei a pensar nisto. A tecnologia favorece e simplifica a nossa comunicação e acesso à informação (e tudo o resto). Mas também acelerou o nosso ritmo de vida. É óbvio que os nossos filhos vão sofrer com isto. 

Estamos cada vez mais cansados, mais stressados, sem tempo para comer e com muito menos qualidade...com uma vida muito mais rápida e possivelmente sem aproveitar os bons momentos!


Mas isto somos nós...então e as crianças?

Bom, elas têm Ballet à segunda e sexta, Kenpo às terças e quintas e natação às quartas e sábados...para além da escola, dos trabalhos de casa e da explicação! 

Por vezes perdemos a nocção do que significa oferecer uma melhor educação aos nossos filhos. Queremos dar-lhes tudo o que não tivemos, e por vezes até achamos que lhes estamos a dar um futuro melhor. Acreditamos que eles estão felizes...mas na verdade estão cansados, impacientes, irritadiços, agitados, pouco atentos e sempre com pressa...

Para além disso, nós próprios trabalhamos 44 horas semanais e, portanto precisamos de mantê-los ocupados. 


Então o que fazer? Existe outra forma?

Parece haver, mas não estar à altura de todos! Como posso eu escolher um trabalho mais flexível ou uma carga horária menor? Isso não é possível...preciso do rendimento para manter o "estilo de vida"...bom este assunto dava um outro artigo...hoje quero focar-me apenas nas crianças!


Para as nossas crianças: Simplicidade!

> Simplifiquem os brinquedos e diminuam a quantidade. E que tal saltar à corda? Desenhar ou simplesmente ir para um parque infantil...

> Conversem durante o jantar. Um pouco cliché? Talvez, mas acho que vale a pena a dica...desliguem a televisão, o telefone, o iPad, o Facebook, etc...Liguem-se uns aos outros e comam devagar.

> Ler antes de dormir. Além de incentivar e treinar a leitura, aproxima-vos e cria um ritual ou vínculo. 

> Acabem com as actividades excessivas. O descanso também é necessário e positivo, ao contrário do que se acredita nos dias de hoje. Deixem as crianças brincar! Deixem-nas com a Avó, com uma Tia que os mime ou com um Tio brincalhão.

> Tente fazer pelo menos uma actividade ao ar livre durante o fim-de-semana. Um parque infantil, um jardim público, uma praça...enfim, o que a sua localidade lhe oferecer!


Se para cada uma destas linhas tem uma desculpa, pense nisso...é uma desculpa! Não leia o que escrevi, de forma literal...olhe para o conceito! Procure soluções e trabalhe com objectivos definidos.

Se ao contrário tudo isto lhe pareceu óbvio e simples, nada de novo? Perfeito, mas avaliem e sejam sinceros...fazemos mesmo isto tudo? De forma continuada? Com cadência e consistência? 


Bom fim-de-semana...


COMO SE FAZ UM INSTRUTOR...

Aloha a todos,

Quero aproveitar esta oportunidade para vos agradecer o facto de seguirem o Blog da Escola e semana após semana lerem os nossos artigos. 

Hoje decidi escrever para todos os que estão neste momento a dar aulas, ou a preparar-se para tal...seja de Lim Kenpo, Lim Medicine, Chi Kung, Hula ou outra coisa qualquer...São apenas alguns conselhos, partilhados na primeira pessoa, por mim, que na maioria experienciei a sua ausência e fui aprendendo a pulso.

1. SÊ CONFIANTE.
Quando damos aulas de forma regular e durante algum tempo, entendemos que os alunos são todos diferentes. Fisicamente e emocionalmente, cada aluno tem a sua individualidade e desafio. Apenas com o tempo vamos conhecendo verdadeiramente a sua essência, necessidades e capacidades. Assim sendo, até lá, o que sabemos nós? Sabemos que sabemos o que estamos a fazer e mais importante, porque o fazemos! Se tens a confiança do teu Instrutor para o representares, então alguma coisa deves estar a fazer bem. Sabes que já passaste tempo suficiente no "tapete" para teres o conhecimento mínimo necessário para ensinar outra pessoa. Confia no "Instrutor" que há em ti...confia no teu Instrutor/Professor/Mentor...confia no Universo!

2. DEIXA O EGO À PORTA.
Não confundas confiança com um ego inchado. Podes ser o líder uma classe ou até de uma escola, mas será que alguém para além de ti próprio dá importância a isso? Os alunos aparecem para treinar. Esperam um bom treino, físico e emocional e um Instrutor que se ligue a eles (não era isso que tu querias quando ainda "ontem" eras apenas mais um aluno?). Não deixes que cresça um espaço, uma distância entre ti e os teus alunos...será muito difícil conhecerem-se realmente por entre essas fissuras...mantêm-te enraizado para nunca perderes a prespectiva correcta!

3. UMA VEZ INSTRUTOR, SEMPRE ALUNO.
Muitas vezes é aqui que o "barco encalha". Na minha prespectiva, quando temos uma aula para dar de forma regular, aumenta a nossa responsabilidade de nos mantermos atualizados, treinados e em forma. Manter uma prática regular para além das aulas torna-se fundamental...isto pode traduzir-se em treinos físicos e técnicos, sozinho ou com algum Instrutor, ou então assistir a um vídeo na internet, ler um livro ou este artigo...

4. ENSINA ATRAVÉS DA TUA EXPERIÊNCIA.
Eu recebi esta dica directamente do meu Mestre/Mentor e foi para mim um ponto de viragem brutal. Nós podemos identificar-nos ou gostarmos do estilo de um determinado professor ou instrutor. Podemos até memorizar as suas frases bonitas e recitá-las em aula soando como o próprio Rumi, mas até o teu discurso vir do teu interior, do teu coração, não irá ter o impacto que poderá ter...

5. INSPIRA Vs IMPRESSIONA
Ao início, mesmo sem intenção, todo o Instrutor quer capturar a atenção dos seus alunos. A linha que separa estes dois conceitos, pode ser mínima e muitas vezes impercetível, uma vez que uma pessoa impressionada pode, durante um período de tempo, parecer inspirada. A grande diferença passa pelo ímpeto da acção. Uma pessoa impressionada, na grande maior parte das vezes fica por aí, impressionada. Uma pessoa inspirada, age, faz mudanças, toma atitudes e inicia um processo...lembra-te que não é sobre ti, mas sobre eles, sempre!

6. SÊ FLEXÍVEL.
Esta foi outra das duras lições que tive que aprender sozinho. Fui criado num ambiente marcial japonês, muito formatado. O grande objectivo era criar a rigidez de uma atitude fundamental para o meu futuro: resiliência. Durante anos, ensinei disciplina, regras, conduta, perseverança e uma espécie de humildade, conquistada na sua grande maioria pelo medo. Aprendi que ser flexível não só é mais fácil, divertido e simples, como muito mais verdadeiro e em sintonia com quem sou, enquanto Professor/Instrutor/Mentor. Alturas houve em que se não conseguisses estar 10 minutos antes da hora marcada para o início da aula, não valia a pena ires...depois melhorei e poderias chegar atrasado, mas serias punido por isso, normalmente com um exercício físico tipo flexões ou abdominais, e claro, em frente a todos para que sirva de exemplo. Hoje em dia, fico feliz por mesmo tendo a hipótese de não vires ao treino, porque já estás atrasado, tomaste a decisão de vir...sinto-me grato, agradecido pela tua decisão.

7. DEFINE UMA INTENÇÃO ESPECIFICA PARA CADA AULA.
A forma como eu trabalho hoje em dia resume-se a isto: eu defino uma intenção, depois convido os meus alunos a partilharem essa intenção comigo durante toda a aula. Esta é a forma como encaro cada treino hoje. Um convite, uma partilha! Este pode ou não ser o teu estilo particular, mas a minha intenção aqui é mostrar-te que deves refletir antes de cada aula e definires muito bem qual o seu objectivo principal naquele dia.

8. TENS QUE ESTAR PREPARADO.
Este conselho parece lógico, mas nem sempre o é. Quando eu digo para estares preparado, é claro que eu sei que tens uma programação de aula e sabes a matéria que vais ensinar, mas como podes tu pedir aos teus alunos que estejam verdadeiramente presentes na aula se tu não estiveres. Vai mais cedo para o treino. Prepara a sala, revê o plano de aula e concentra-te nos detalhes, trabalha-os na tua cabeça antes da aula. Respira fundo ou outra coisa qualquer que te ajude a centrar, a focar, a preparar na totalidade para a aula que vais desfrutar.

9. SENTE-TE GRATO.
Trabalhas-te duro para ganhares esse lugar em frente à aula. Tiveste que fazer escolhas e abdicar de várias coisas, manter o foco enquanto que a vida e as responsabilidades continuavam a exigir de ti. Mas tu conseguiste! Mas é mais do que um certificado ou diploma. É teres a nocção que estás nesse lugar espetacular, com um número infindável de possibilidades para guiares pessoas numa prática que lhes pode literalmente mudar a vida para sempre. Lembras-te daquele ditado "Quando o aluno está preparado, o Mestre aparece..." Pensa nisto por um momento. Quem são as pessoas que estão à tua frente. Porque razão estão ali, contigo e não em outro local?


Aloha & Mahalo nui loa! 


VISITA AO GRUPO DE ESTUDO DA ILHA GRACIOSA

Entre os dias 01 e 05 de Março, tive a possibilidade de visitar a nossa Ohana em St. Cruz da Graciosa. Pela terceira vez no espaço de um ano, tive o privilégio de visitar a ilha e poder partilhar o nosso Aloha com o Grupo de Estudo local. 

Para além da beleza natural da ilha (podem ver algumas fotos no meu perfil pessoal no Facebook- aqui), a partilha, a comida, o calor humano, a comida, a entrega, a dedicação e como não poderia deixar de ser, a comida...

A nível de treino, o grupo tem desenvolvido bastante e está num momento de muita motivação e vontade de aprender...foi muito gratificante ver a entrega de todos eles. Parabéns Chantal Llano e Ana Rita Fraga, pela dinamização que conseguem impor ao grupo.



Espero vê-los a todos no próximo estágio de 24 de Março!!! A não perder...


Um apontamento especial para a Ana Nunes e para a Susana Rodrigues, que me fizeram rir constantemente, tiraram fotografias, ajudaram nas aulas e fizeram companhia durante toda a viagem, nomeadamente nas 3 horas de atraso na Terceira :) :) :) Obrigado!!!


O CAMINHO CERTO

Sinto que tenho muita sorte!!! Sou abençoado por ter alunos que confiam em mim ao ponto de me proporcionarem a responsabilidade de participar activamente na sua vida...

Frequentemente sou confrontado com as seguintes questões: Será que é isto? Será que estou a fazer a escolha certa? Será que estou no caminho certo? 

Assim sendo, aqui fica um conjunto de perguntas para fazeres a ti mesmo e te ajudar a entender se estás no caminho certo...

> Sentes-se excitado quando acordas de manhã? Pronto para começar um novo dia? 

> Estavas farto de te sentir satisfeito/acomodado e isso motivou/ajudou a tomada de decisão para mudar?

> Sabes que não tens arrependimentos, independentemente dos resultados? Sentes que independentemente do que acontecer, tens que tomar esta atitude?

> Não sabes de onde vem a tua confiança, mas tens de sobra? Estás confiante que no final vai tudo correr bem?

> Estás mais focado no futuro do que no passado? Até porque para o passado não há remédio, mas o futuro está literalmente à tua frente?

> Estás ansioso por melhorar a cada dia? Tens sede de aprender e desenvolver?

> Partilhaste com as pessoas que te são mais próximas os teus objectivos? 

> Ainda continuas a querer fazê-lo apesar de por vezes parecer extremamente difícil e principalmente, muito trabalhoso?

Se responderes afirmativo a este conjunto de questões...vai em frente, estás no caminho! O resultado não depende com certeza só de ti, e apesar de estares no caminho vais cometer erros e terás de aprender e melhorar...mas estás à procura no sítio certo. Parabéns!!!