COMO SE FAZ UM INSTRUTOR...

Aloha a todos,

Quero aproveitar esta oportunidade para vos agradecer o facto de seguirem o Blog da Escola e semana após semana lerem os nossos artigos. 

Hoje decidi escrever para todos os que estão neste momento a dar aulas, ou a preparar-se para tal...seja de Lim Kenpo, Lim Medicine, Chi Kung, Hula ou outra coisa qualquer...São apenas alguns conselhos, partilhados na primeira pessoa, por mim, que na maioria experienciei a sua ausência e fui aprendendo a pulso.

1. SÊ CONFIANTE.
Quando damos aulas de forma regular e durante algum tempo, entendemos que os alunos são todos diferentes. Fisicamente e emocionalmente, cada aluno tem a sua individualidade e desafio. Apenas com o tempo vamos conhecendo verdadeiramente a sua essência, necessidades e capacidades. Assim sendo, até lá, o que sabemos nós? Sabemos que sabemos o que estamos a fazer e mais importante, porque o fazemos! Se tens a confiança do teu Instrutor para o representares, então alguma coisa deves estar a fazer bem. Sabes que já passaste tempo suficiente no "tapete" para teres o conhecimento mínimo necessário para ensinar outra pessoa. Confia no "Instrutor" que há em ti...confia no teu Instrutor/Professor/Mentor...confia no Universo!

2. DEIXA O EGO À PORTA.
Não confundas confiança com um ego inchado. Podes ser o líder uma classe ou até de uma escola, mas será que alguém para além de ti próprio dá importância a isso? Os alunos aparecem para treinar. Esperam um bom treino, físico e emocional e um Instrutor que se ligue a eles (não era isso que tu querias quando ainda "ontem" eras apenas mais um aluno?). Não deixes que cresça um espaço, uma distância entre ti e os teus alunos...será muito difícil conhecerem-se realmente por entre essas fissuras...mantêm-te enraizado para nunca perderes a prespectiva correcta!

3. UMA VEZ INSTRUTOR, SEMPRE ALUNO.
Muitas vezes é aqui que o "barco encalha". Na minha prespectiva, quando temos uma aula para dar de forma regular, aumenta a nossa responsabilidade de nos mantermos atualizados, treinados e em forma. Manter uma prática regular para além das aulas torna-se fundamental...isto pode traduzir-se em treinos físicos e técnicos, sozinho ou com algum Instrutor, ou então assistir a um vídeo na internet, ler um livro ou este artigo...

4. ENSINA ATRAVÉS DA TUA EXPERIÊNCIA.
Eu recebi esta dica directamente do meu Mestre/Mentor e foi para mim um ponto de viragem brutal. Nós podemos identificar-nos ou gostarmos do estilo de um determinado professor ou instrutor. Podemos até memorizar as suas frases bonitas e recitá-las em aula soando como o próprio Rumi, mas até o teu discurso vir do teu interior, do teu coração, não irá ter o impacto que poderá ter...

5. INSPIRA Vs IMPRESSIONA
Ao início, mesmo sem intenção, todo o Instrutor quer capturar a atenção dos seus alunos. A linha que separa estes dois conceitos, pode ser mínima e muitas vezes impercetível, uma vez que uma pessoa impressionada pode, durante um período de tempo, parecer inspirada. A grande diferença passa pelo ímpeto da acção. Uma pessoa impressionada, na grande maior parte das vezes fica por aí, impressionada. Uma pessoa inspirada, age, faz mudanças, toma atitudes e inicia um processo...lembra-te que não é sobre ti, mas sobre eles, sempre!

6. SÊ FLEXÍVEL.
Esta foi outra das duras lições que tive que aprender sozinho. Fui criado num ambiente marcial japonês, muito formatado. O grande objectivo era criar a rigidez de uma atitude fundamental para o meu futuro: resiliência. Durante anos, ensinei disciplina, regras, conduta, perseverança e uma espécie de humildade, conquistada na sua grande maioria pelo medo. Aprendi que ser flexível não só é mais fácil, divertido e simples, como muito mais verdadeiro e em sintonia com quem sou, enquanto Professor/Instrutor/Mentor. Alturas houve em que se não conseguisses estar 10 minutos antes da hora marcada para o início da aula, não valia a pena ires...depois melhorei e poderias chegar atrasado, mas serias punido por isso, normalmente com um exercício físico tipo flexões ou abdominais, e claro, em frente a todos para que sirva de exemplo. Hoje em dia, fico feliz por mesmo tendo a hipótese de não vires ao treino, porque já estás atrasado, tomaste a decisão de vir...sinto-me grato, agradecido pela tua decisão.

7. DEFINE UMA INTENÇÃO ESPECIFICA PARA CADA AULA.
A forma como eu trabalho hoje em dia resume-se a isto: eu defino uma intenção, depois convido os meus alunos a partilharem essa intenção comigo durante toda a aula. Esta é a forma como encaro cada treino hoje. Um convite, uma partilha! Este pode ou não ser o teu estilo particular, mas a minha intenção aqui é mostrar-te que deves refletir antes de cada aula e definires muito bem qual o seu objectivo principal naquele dia.

8. TENS QUE ESTAR PREPARADO.
Este conselho parece lógico, mas nem sempre o é. Quando eu digo para estares preparado, é claro que eu sei que tens uma programação de aula e sabes a matéria que vais ensinar, mas como podes tu pedir aos teus alunos que estejam verdadeiramente presentes na aula se tu não estiveres. Vai mais cedo para o treino. Prepara a sala, revê o plano de aula e concentra-te nos detalhes, trabalha-os na tua cabeça antes da aula. Respira fundo ou outra coisa qualquer que te ajude a centrar, a focar, a preparar na totalidade para a aula que vais desfrutar.

9. SENTE-TE GRATO.
Trabalhas-te duro para ganhares esse lugar em frente à aula. Tiveste que fazer escolhas e abdicar de várias coisas, manter o foco enquanto que a vida e as responsabilidades continuavam a exigir de ti. Mas tu conseguiste! Mas é mais do que um certificado ou diploma. É teres a nocção que estás nesse lugar espetacular, com um número infindável de possibilidades para guiares pessoas numa prática que lhes pode literalmente mudar a vida para sempre. Lembras-te daquele ditado "Quando o aluno está preparado, o Mestre aparece..." Pensa nisto por um momento. Quem são as pessoas que estão à tua frente. Porque razão estão ali, contigo e não em outro local?


Aloha & Mahalo nui loa!