A LISTA DAS TRÊS COISAS...

Afogamo-nos em listas de afazeres. Ensinaram-nos que, quanto mais longa a lista, mais importantes somos. Quanto mais "vistos" tivermos na lista, mais eficientes, inteligentes, produtivos e bem-sucedidos somos. Pelo menos, é assim que se pensa. 

Ficaram algumas actividades por fazer da sua lista de ontem? Da semana passada? Do mês passado?Do ano passado? Se alguma coisa constar da sua lista de afazeres há semanas ou meses, pergunte a si mesmo: será que alguma vez vou ter tempo para a executar?

Provavelmente, não!

Essa actividade apenas serve para o atormentar, recordando-lhe que é ineficiente, preguiçoso, improdutivo e indisciplinado. O que não é terrivelmente estimulante para fazer o que deve, como sabe...

Que desapareçam as longas listas de afazeres
As longas listas de afazeres não ajudam a simplificar a vida. Congestionam-na, sobrecarregam-nos. Abrem caminho à frustração, à ansiedade, ao desapontamento e à sensação de que não somos suficientemente bons. Por isso, é altura de acabarmos com elas...

Em vez disso, deverá elaborar uma lista que inclua apenas três coisas - que precisa de concretizar hoje.

Porquê três?
Quando escrevemos uma longa lista de afazeres, comprometemo-nos com ela. Sabemos que não podemos executar as trinta e nove tarefas incluídas na lista. Apesar disso, escrevemo-las, na expectativa de que sejam feitas. Já estamos condenados ao fracasso antes de começar.

No entanto, com três pontos na lista:

- Os nossos objectivos são alcançáveis - todos os dias
- Os nossos objectivos são viáveis - a lista não é esmagadora
- Os nossos objectivos são simples - não nos desorientamos com aquilo em que estamos a trabalhar

E alcançamos uma vitória - três, na verdade | Temos a enorme sensação de realização quando concluímos os afazeres numa base diária. Acabaram-se os fracassos.

"Mas as coisas que tenho de fazer são mais de três ..."
De acordo. As coisas com carácter diário - fazer a cama, pôr a roupa a lavar na máquina, preparar o jantar, levar os miúdos à escola - devem integrar os ritmos diários, não a lista de fazeres.

As três coisas devem fazer parte de tarefas "pontuais", menos frequentes, mais importantes, e que estão permanentemente na sua cabeça: relatórios que tem de escrever, telefonemas que precisa de fazer, reuniões, recados...

Todas as manhãs, escolherá as três tarefas no sentido de as concretizar. O resto que faz durante o dia são insignificâncias. 

Vê como resulta?

Está a preparar o terreno para vencer. Elimina a pressão que colocamos sobre nós mesmos para conseguir fazer tudo num dia determinado. A sensação de vitória retirada do facto de cumprirmos a lista de afazeres dá-nos uma maior propensão para continuar e alcançar mais.


Um exercício simples:

1. Reflita e responda às seguintes questões:
- Identifica algo que possa fazer hoje para melhorar o estado das coisas?
- Existem tarefas específicas que necessitem de ser feitas?
- Há alguma coisa na página que tenha limites de tempo?

Faça um círculo à volta desses pontos...

2. Elabore uma lista
Com caneta e papel, prepare uma lista dos três pontos mais pertinentes. Vão ser os prioritários. Execute estas tarefas antes de quaisquer outras.

3. Tarefas secundárias
Pode fazer uma segunda lista, das tarefas menos urgentes - mas não inclua mais de cinco ou seis. Só depois de concluir as três tarefas prioritárias é que deve avançar para as secundárias.

4. Continuação
Quando concluir o exercício, pode transferir para a lista do dia seguinte as tarefas secundárias, bem como juntar outras que necessitem de ser feitas. Simplesmente, identifique os três itens seguintes mais importantes.

Sou defensor da simplicidade e de não complicar os assuntos. Por isso, um bloco de notas ou um papel serve bem para a minha lista de afazeres. Mas se procura uma agenda com um pouco mais de estrutura e de espaço, tem à disposição online excelentes opções...



*Adaptado do livro "Simplificar"