ESTÁGIO TÉCNICO NO ALGARVE

Realizou-se uma vez mais, o Estágio Técnico Anual do Algarve. Com uma organização conjunta das Escolas de Lim Kenpo - ETAMC de S. Brás de Alportel e Estoi, este ano o evento dividiu-se em três fases distintas. Na Sexta-feira e no Domingo, foi tempo de melhor preparar quem ensina, ou seja, foram 4h30m de formação específica para Instrutores e Assistentes. No Sábado de manhã e no Sábado ao final da tarde, foi tempo de realizar os primeiros Exames de Graduação do ano e treinar com a totalidade dos alunos, infantis, juvenis e seniores. Ainda no Sábado, entre as 15h00 e as 18h00, leccionamos um Workshop aberto à população com um objectivo solidário, "Ajudar o João". Tivemos mais de 30 participantes, o que tendo em conta a distância foi extremamente positivo. No geral, um fim-de-semana bastante produtivo, com diversas dinâmicas e objectivos a serem cumpridos na integra. Parabéns a toda a equipa do Algarve por todo o caminho percorrido até aqui. Um verdadeiro orgulho ter-vos como alunos...será importante nesta fase deixar aqui algumas notas mais específicas:

Ao David e Carla, o nosso muito obrigado pela maravilhosa forma como nos receberam. Foi TOP!!!

A todos os alunos e familiares que se juntaram no sábado à tarde para ajudar o João...muito, muito, obrigado! Nenhum apoio é pouco numa situação destas. Gratos pela vossa Kokua!

Ao grupo de FMA, em especial ao Miro e à Lídia, muito obrigado pela vossa sincera amizade de anos...Grato pela vossa confiança!

Aos meus alunos, Pedro Dias, Ricardo Borges, Joana Pombeiro, Susana Rodrigues e Rion Nunes, não há palavras para descrever a vossa lealdade, o vosso empenho e entrega. Vocês não são melhores nem piores, vocês são assim...

Aos meus Mestres e Mentores, Soke George Lim & Hanshi Patrice Lim, pelo seu altruísmo, pela sua paciência e por me terem dado a oportunidade de partilhar este magnifico presente com o mundo! Grato...

Por último, à Ana Nunes, ao Sebastião Nunes e à Francisca Nunes. Grato por me compreenderem e respeitarem! Grato por abdicarem de um pouco de mim, para que eu possa viver o meu sonho...

21 Janeiro 2019
Nuno Nunes



VAMOS SALVAR O MUNDO?

De vez em quando, é preciso visitar a saudade. Lembrar quem fomos, lembrar os sonhos e torná-los presentes! A criança que fomos é sempre mais real do que o adulto em que nos tornámos (ou nos tornaram...). Nem sempre é um exercício apaziguador...os planos não se concretizaram, as expectativas foram goradas, os valores ficaram comprometidos e somos invadidos pela nostalgia do que nunca aconteceu!

Podemos desesperar se formos em busca das razões que nos desviaram do nosso propósito de vida. A culpa e a mágoa abafaram a nossa existência. Os imprevistos da vida foram mais do que previsíveis e as nossas escolhas foram o reflexo das nossas prioridades. É de ficar com os olhos rasos d´água, ver adultos que ainda têm aquela chama, que ainda acreditam...adultos que nunca se deixaram engolir pela impermanência da vida e continuam a ignorar as vozes alheias e a escutar a sua voz interior.

O bem comum une os corações diferentes e desiguais. Não há caminho que valha a pena se não for para lutar por um ideal! 

***Mahalo nui loa aos voluntários da ETAMC por acreditarem***

Susana Rodrigues



DE BRAÇOS ABERTOS...

A Escola Tradicional de Artes Marciais e Curativas acolhe os seus alunos e associados durante os fins de semana. Para além das aulas regulares e da clínica de Terapia Oriental, a ETAMC estende o seu funcionamento para concretizar várias iniciativas e projectos.
No passado fim de semana, realizámos o workshop de canto tradicional havaiano com a participação dos alunos da Halau O Nunes e abrimos as portas da Clínica da ETAMC aos voluntários e pacientes do MC2. O empenho de todos vitaliza e faz crescer a nossa associação.
Muito obrigada a todos!


Workshop Pule´Ohi



Medicina Chinesa Comunitária MC2

RESPONSABILIDADES ENQUANTO PAIS...

Aloha a todos,

espero como sempre, que estes meus desabafos vos encontrem a todos de excelente saúde. Há muitos anos que não tinha o privilégio de dar aulas a crianças de forma regular. Uma das decisões mais difíceis que fiz quando a minha escola começou a crescer foi efectivamente delegar as aulas regulares para dar mais apoio ao nível da organização interna, o que fiz com orgulho durante todos estes anos. No entanto, à cerca de três anos começou a nascer em mim uma vontade de voltar a dar aulas continuadas, de voltar ao registo Instrutor/Aluno. Dessa forma iniciei-me novamente, mas apenas com adultos. A experiência está a ser fantástica! Eu não sou a mesma pessoa que abriu a sua escola à 21 anos atrás...não tenho pressa, não sinto necessidade de provar nada a ninguém, o tempo passa mais devagar, aproveito mais cada aula, cada momento, cada aluno...em Setembro surgiu a oportunidade de iniciar um projecto com crianças, e aceitei sem olhar para trás! Não é um projecto novo, de raiz ou seja, herdei uma série de alunos, já com alguns rituais, alguns hábitos e muitos vícios...agarrei o projecto e comecei a moldar as aulas e o programa técnico à minha imagem actual...tenho alunos que estão a adorar, tenho outros que nem por isso, inclusive, alunos de longa data têm optado, com a permissão dos pais, por abandonar a sua prática de anos. A justificação, de forma mais assumida ou menos assumida é sempre a mesma: não gosto de combate!

O Lim Kenpo é uma arte marcial e como qualquer outra prática marcial estuda e ensina, segundo as suas convicções próprias, a arte do combate. Não é possível, de forma eficaz, alguém aprender a defender-se sem combater! Mas mais importante do que isso, não é possível atingir os objectivos/atributos que a pratica das artes marciais nos propõe sem sair da zona de conforto...seja ela o combate ou outra coisa qualquer!

"Gostava que o meu filho viesse para o Kenpo porque acho importante ele saber defender-se, criar mais atitude, ser mais resiliente, na escola e para a vida..." Esta é com frequência, uma frase que ouvimos, no entanto a mesma em nada se coaduna com outra frase que temos ouvido ultimamente: "ele diz que agora têm feito combates e que ele não gosta. Ele não quer vir e eu também não o posso obrigar a vir." Enquanto pais, temos determinadas responsabilidades para com os nossos filhos! Também sou pai e luto diariamente por contrariar o mais fácil e fazer as escolhas correctas. Estou a falar do Kenpo, mas poderia estar a falar de outra actividade qualquer. Devemos analisar constantemente se somos coerentes com os exemplos que damos aos nossos filhos, uma vez que eles não aprendem aquilo que nós lhes ensinamos...eles aprendem aquilo que nós fazemos!

Então com este desabafo, pretendo apenas mostrar aos actuais Encarregados de Educação, assim como aos futuros, que este "novo" Lim Kenpo tem muito para oferecer em termos de humildade, resiliência, perseverança, concentração e principalmente auto-estima...mas nada vem de forma gratuita! É preciso fazer o trabalho, percorrer o caminho, desafiar o conforto, derrubar barreiras e limitações para construir capacidades e atributos...desistir nunca nos vai levar a lado nenhum!

Obrigado a todos os alunos e encarregados de educação que durante anos, confiaram no nosso trabalho. Obrigado aqueles que ainda confiam...

Grato,
Nuno Nunes

ANO NOVO, VIDA NOVA...

Começámos o ano de 2019 da melhor maneira com 1ª formação de Instrutores (Striking-Nível 1). Deixámos para trás o ano das comemorações dos 20 anos da ETAMC e iniciámos o novo ano com os olhos e o coração postos no futuro. Avizinham-se novos desafios e novas oportunidades dentro da associação! Muito obrigada a todos os instrutores, assistentes e alunos presentes. Mahalo nui loa!

Professor Nuno Nunes: Obrigado pela viagem!

PARA ALÉM DO ÓBVIO...

Estamos na nossa casa, no nosso trabalho, na nossa rua...olhamos ao nosso redor e facilmente identificamos vários objectos de plástico. 
Se tivermos uma consciência ambiental de respeito pelos recursos naturais, encaminhamos esses plásticos para a reciclagem, se for possível. Nem todos os plásticos são passíveis de serem reciclados, seja pela sua composição, seja porque a produção excede em muito a capacidade de reciclar. Além disso, só os plásticos com valor comercial entram no ciclo de reciclagem! 

Então e o plástico invisível? Aquele plástico microscópico que consumimos e que polui as nossas águas e as nossas terras. Exactamente! A questão é termos assumido que as terras e as águas são nossos: sentimento de propriedade superou o sentimento de pertença!
Os micro-plásticos (ou micro-lixo) são plásticos com menos de 5 mm com origem em plásticos maiores que se vão fragmentando (1 garrafa de plástico decompõem-se em 10.000 unidades de microplástico) ou são produzidos pela indústria com esta dimensão. 
Os microplásticos primários mais frequentes são as micro-fibras da roupa e são libertadas directamente para o meio ambiente através da lavagem da roupa sintética (35%). O desgaste dos pneus durante a condução representa 28% e os micro-plásticos adicionados intencionalmente aos produtos de cosmética representam 2% dos micro-plásticos primários encontrados nos oceanos.
Os micro-plásticos secundários representam entre 69% a 81% e resultam da degradação do macro-lixo (garrafas,redes de pesca,sacos de plástico).

A ONU (Organização das Nações Unidas) divulgou que em 2017, existiam 51 biliões partículas micro-plásticas nos mares, 500 vezes mais do que as estrelas da nossa galáxia.
Já foram encontrados em cerveja, mel e água da torneira. Estimativas recentes indicam que 50% da população mundial contem presença de micro-plásticos nas fezes. As partículas mais pequenas são absorvidas pela corrente sanguínea e podem atingir o sistema linfático e fígado. Ainda não é conhecido o efeito sobre a saúde humana. 

Desenvolvemos uma mega indústria do plástico sem termos uma estratégia para nos livrarmos dos seus produtos. Muito lentamente, os governos e os cidadãos vão adoptando medidas que conduzem à redução da produção e consumo de plástico.
A UE (União Europeia) tem vindo a legislar e a votar medidas que visam a proibição da adição intencional de micro-plásticos aos produtos detergentes e de cosmética, a restrição de sacos de plástico leves e a proibição de alguns produtos descartáveis.
A nós cabe-nos optar por uma vida livre de plástico. 
Por onde começamos?
Começamos por nos respeitarmos como cidadãos. Cidadãos informados e exigentes com o mercado promovem uma cultura de ecologia e de preservação do ambiente e dos animais.
Quais as medidas?
  • Prescindir dos sacos de plástico. Utilizar sacos reutilizáveis (por exemplo, de algodão) que podem ser utilizados para transportar compras nomeadamente fruta e legumes frescos.
  • Substituir as escovas de dentes de plástico por escovas de bambu.
  • Substituir as cotonetes de plástico por cotonetes de bambu.
  • Substituir palhinhas de plásticos por palhinhas de bambu ou metálicas.
  • Evitar comprar produtos embalados. Comprar a granel.
  • Escolher produtos em empresas que respeitem  o meio ambiente.
  • Optar por garrafas reutilizáveis.
  • Lavar menos vezes a roupa e utilizar programas de menor duração.
  • Partilhar o conhecimento!!!