AS NOSSAS EMOÇÕES E A NOSSA SAÚDE

As nossas emoções são um reflexo da movimentação da nossa energia. Se a nossa energia se move de forma fluída, então as nossas emoções serão expressadas de forma equilibrada. Quando respondemos a uma certa situação de forma negativa, contraimo-nos, o que faz com que a nossa energia bloqueie ou assuma a direcção errada. O famoso livro médico chinês "Nei Jing" diz que "a raiva faz subir a energia, a ansiedade torna-a mais lenta, a tristeza dissolve-a, o medo faz descer a energia, o choque espalha a energia e a preocupação estagna-a."

A medicina chinesa reconhece que a raiva, o medo, a alegria, a dor, o choque, a preocupação e  a tristeza são tudo emoções que podem afectar a nossa saúde. As emoções são chamadas de "causas internas" de doença pois são originadas a partir do nosso interior. Em contraste, condições atmosféricas tais como o calor, o frio ou a humidade serão chamadas de "causas externas" de doença. Existem ainda as "causas devido ao estilo de vida" tais como a dieta, o exercício ou demasiado trabalho, estas causas são referidas como nem internas nem externas. 

Apesar de a medicina chinesa referir apenas sete emoções como causa interna, estas sete podem-se associar a outras emoções:

> Raiva: Frustração, depressão, ressentimento, irritabilidade, amargura, ira, cólera.
> Medo: Terror, ansiedade, temor, pânico, trepidação, apreensão, horror.
> Dor: Perda, vazio, resignação, saudades, arrependimento, remorso, lamento.
> Irresponsabilidade: Excitação, exaltação, euforia, demasiado entusiasmo, manias.
> Tristeza: Miséria, infelicidade, desespero, penúria, melancolia, mágoa.
> Preocupação: Obsessão, pensar demasiado, fixação, mau-humor, angústia, insegurança.
> Choque: Medo, alarme, agitação, inquieto, aflição, abalado, assustado.

É natural para nós sentirmos emoções diferentes conforme a situação que vivemos. Por exemplo:

- O medo protege-nos do perigo.
- A raiva ajuda-nos a afirmar os nossos direitos.
- A dor manifesta-se quando perdemos algo ou alguém.
- A alegria sobe quando sentimos prazer.
- A preocupação ocorre quando nos sentimos desamparados.

Uma vez que a situação que desencadeou a nossa emoção tenha desaparecido, geralmente conseguimos recuperar e seguir em frente. No entanto, existe várias outras circunstâncias das quais não conseguimos recuperar. Este tipo de emoções pode afectar negativamente a nossa saúde. 

Um factor importante no que toca a encarar as dificuldades é aceitá-las. Aceitar que os problemas existem e que nos afectam pode permitir-nos mantê-los em perspectiva. Pode ajudar a evitar que nos sintamos assoberbados por eles, e deste modo não os iremos suprimir ou negar. Podemos então ser capazes de os deixar ir, ao invés de os deixar prolongar, intensificar ou, sem sabermos, levar a que nos afectam a saúde. 

Pré-infância (0-5 anos)
Falta de comida, falta de um ambiente quente, falta de carinho e estimulação emocional, falta de preenchimento de necessidades emocionais, falta de ou demasiados limites físicos, rivalidade de irmãos, separação dos pais. 

Infância (5 aos 12 anos)
Começar a escola, fazer amigos, aprender dificuldades, rivalidade de irmãos, bullying, mudar de casa, divórcio dos pais, fazer os trabalhos-de-casa, demasiada televisão, demasiados jogos de computador.

Adolescência (13 aos 19 anos)
Iniciar relações amorosas, fazer amigos, preocupações com a aparência, medo de chumbar nos exames, dificuldade em escolher uma carreira, tornar-se independente dos pais, experimentar drogas e/ou álcool, encontrar trabalho, sair de casa.

Adulto (20 aos 40 anos)
Encontrar um parceiro, ter uma casa, começar uma família, encontrar e manter uma carreira, preocupações financeiras e dívidas, situação profissional competitiva, patrões difíceis, dificuldades com colegas, problemas de relação, divórcio.

Fim da idade adulta (40 aos 60 anos)
Estagnação, manter-se a par das mudanças na tecnologia no trabalho, tomar conta dos pais idosos, doença na família, morte de amigos e/ou familiares, envelhecer, fraca saúde, possível divórcio.

Reforma (Mais de 60 anos)
Falta de se sentir valorizado, morte de entes queridos, fraca saúde, envelhecer, perder a visão, audição, memória, etc., perda de rendimentos, impossibilidade de tomar conta dele próprio, dificuldade em manter a independência.


Retirado do livro "88 Segredos da Medicina Chinesa" por Angela Hicks