Inner Balance

A Terapia Oriental no geral e a Medicina Chinesa em particular ensina-nos que existem sempre, dois lados para a mesma moeda. O conceito do Yin e do Yang estão presentes em tudo na vida. Umas vezes conseguimos facilmente ver a dualidade das coisas e dos conceitos, outras vezes é mais difícil...

No geral, temos a noção que não devemos ter hábitos prejudiciais à saúde, como comer fastfood, fumar ou ter um estilo de vida sedentário, no entanto, por norma não temos a noção que o contrário também é verdade. Ter um estilo de vida activo e saudável pode actuar como prevenção ou até mesmo como medicamento para eliminar problemas de saúde já instaurados e até fazer com que doenças crónicas desapareçam.


O problema com esta forma moderna de olhar para a saúde e principalmente o problema da forma como exercemos medicina hoje em dia, é esquecermo-nos frequentemente que o nosso corpo é um sistema único, que funciona interligado, ou seja, holístico. Pegando no exemplo da depressão, mediante os sintomas normais desta manifestação, pensamos automaticamente num problema psicológico, causado por um desequilíbrio químico no cérebro. Resposta natural a esta constatação: prescrição de um antidepressivo! O grande problema com este quadro é que a depressão, como tantos outros desequilíbrios, podem ser provocados por uma má alimentação, por níveis elevados de stress, pela falta de exercício físico ou, o que ainda é mais comum, pela combinação destas três condições.

É por isto que gosto tanto da abordagem que a Medicina Chinesa tem em relação ao corpo. É preciso entender que o Ser Humano é um mecanismo sofisticado, altamente desenvolvido e que está completamente interligado entre si e não pode ser nunca, dividido por peças, sem que se perca a razão da sua essência. Com imensa frequência, um sintoma numa área do corpo ou num determinado sistema, pode afinal ter uma causa numa outra qualquer zona do corpo. É por isso que me faz muito mais sentido a visão médica chinesa, onde não há especialidades. À medida que o nosso entendimento actual do corpo humano vai aumentando vamos entendendo que muitas vezes os nossos estilos de vida são em si mesmos o melhor remédio, ou seja, aquilo que os antigos Mestres chineses nos diziam, bate certo com aquilo que a ciência nos diz hoje.


Pessoalmente, chamo a esta visão holística do corpo e à sua interação com o meio ambiente social onde está inserido, Inner Balance – Equilíbrio Interior, que defende que devemos prestar atenção ao máximo de factores possíveis quando examinamos o que cria o bem-estar ou a doença. Como o corpo está tão conectado entre si, com sistemas e partes tão distantes que se afectam umas às outras, a causa (ou causas) de qualquer doença específica poderá não ser assim tão óbvia!

Assim sendo, e ainda a título de exemplo, usando o caso da depressão, é mais provável e fácil que prescreva uma dieta à base de gorduras boas e mais actividade física do que um medicamento ou suplemento alimentar para regular o humor. Desta forma, acredito que ao prescrever pequenos ajustes no estilo de vida, (alimentação, sono e exercício físico), consigo melhores resultados e mais duradoiros. 

Novamente, estamos todos em sintonia quando dizemos que um mau estilo de vida pode ser a causa de diversas doenças. O que não é tão comum é a noção de que uma mudança no estilo de vida pode também ser um tratamento e a prevenção para que nem sequer cheguemos a adoecer. 

A ideia básica é simples! Tendo em conta que cada parte do nosso corpo nos afecta em maior ou menor grau, devemos prestar atenção ao todo. Como são os padrões de sono? Como é a sua dieta? Tem um trabalho sedentário? Depende do telemóvel ou tablet? É preciso avaliar todas estas “agressões” para ter uma imagem clara do quadro geral. O nosso corpo tem defesas e tem a capacidade de resolver várias agressões em simultâneo, no entanto tem um limite e esse ponto de ruptura é pessoal e único para cada pessoa. Podemos pensar em tudo isto como malabarismo! Algumas pessoas só conseguem manobrar duas bolas, outras conseguem fazer com três ou mesmo quatro, mas quando juntamos uma quinta bola, caem todas, ou seja, adoecemos. Essa doença pode manifestar-se de várias formas diferentes, num distúrbio de humor, num problema de açúcar no sangue, dificuldades em dormir, numa infecção urinária ou mesmo num problema cutâneo. Todas estas queixas são sinais de que as coisas – pois, por norma, não mais que uma – vão mal noutros locais do corpo. O Inner Balance dá prioridade à causa e não aos sintomas. Quero ir além do tipo de conselhos de saúde que já todos conhecemos há muito tempo, quero ir além das dietas da moda e dos programas de exercício físico pontuais para resolver isto ou aquilo. Complicámos excessivamente a saúde – eu quero simplificá-la!


Escola Tradicional de Artes Marciais & Curativas
Nuno Nunes – Professor | Terapeuta | Mentor